GARANHUNS | LAGOA DOS GATOS | GOIANA | RECIFE | SÃO PAULO

1 a 23 de setembro de 2018

Mais do que nunca os princípios revolucionários do Movimento Cartonero são uma bandeira pertinente e transformadora da realidade econômica, social e cultural global. No Brasil, e em especial em Pernambuco, ele cresce na medida em que cada vez mais o mercado editorial destoa da realidade econômica e, por sua vez, da realidade sociocultural local. E por seu poder empreendedor, de todo o país, Pernambuco é o estado onde o cartonerismo é mais forte.

Idealizado e produzido pela produtora pernambucana Nós Pós em parceria com diversas instituições e editoras cartoneras do estado, a  I INTERNACIONAL  CARTONERA pretende consolidar-se como um espaço agregador e de intercâmbio entre agentes culturais  e  sociais deste  Movimento – sejam  eles editores  independentes, autores, diagramadores, encadernadores, ilustradores etc., além de associações e cooperativas de catadores e diversos outros segmentos que  interagem e participam de todo o processo de produção do livro artesanal até seu destino final – o leitor.

PRODUTORA NÓS PÓS

ANTOLOGIA NÓS CARTONERA

A INTERNACIONAL CARTONERA se inicia com a abertura de chamada pública online, entre 1 a 7 de setembro, para recebimento de textos em poesia e prosa para composição de uma antologia literária, a Nós Cartonera, que será editorada e lançada durante o festival. Aqui você encontra o regulamento de participação da chamada pública e a lista dos selecionados.

E para acompanhar o processo de editoração da antologia, é só chegar no nosso Ateliê Nós Cartonera, montado no Espaço Pasárgada, no Recife (Rua da União, 263, Boa Vista – Recife/PE). As portas estarão abertas te esperando.

Horário do ateliê: de 19 a 21 de setembro, das 12h às 17h

Formato acessibilidade: ferramentas padrão disponíveis em computador (narrador, lupa, autocontraste, legendas ocultas, etc.).

LISTA DE TEXTOS E AUTORXS SELECIONADOS PARA A NÓS CARTONERA:

Banque d’Affaires – Lucas Perito
Bed & breakfast – Felipe André Silva
Deus antigo – Diogo Marcos
Ela- Edvânia Kehrle
Fagia – Mila Nascimento
Mediterrâneo, sur – Carlos Gomes
O amor é uma espécie de falcoaria secreta – Camillo César Alvarenga
O retrato – Márcia Bomfim
Ofício – Daniel Pereira
Perdão, meu camarada – Vitor Morais Castanheira
Piranha – Thalita Medeiros
Selva – Ara Mathias
Sem licença poética – Felippe Maciel
Sém Título – Giovanna Revoredo
Sombra – Le Pracian
Suburbana I – Deisiane Barbosa
Terno de Couro – Adalberto Tavares
Timidez – Crislaine Venceslau
Travessia – Ezter Liu
Umbigo – Cézar Ray

A INTERNACIONAL CARTONERA se inicia com a abertura de chamada pública online, entre os dias 1º e 7 de setembro de 2018 para recebimento de textos em poesia e prosa para composição da antologia literária a Nós Cartonera, que será editorada e lançada durante o festival.

Para participar da chamada pública leia o regulamento que se segue:

Sobre a participação

1. Qualquer pessoa pode participar, independente de nacionalidade ou qualquer outra classificação, desde que o texto esteja em língua portuguesa;
1.1. Por uma questão de razoabilidade, xs convidados pela Curadoria para participar da programação do Internacional Cartonera estarão impedidxs de participar, bem como toda a equipe organizadora do evento;
2. Todo material apresentado deverá ser autoral, responsabilizando-se xs autorxs pela legitimidade dos trabalhos apresentados;
3. Cada autor ou autora poderá enviar até dois textos;
4. Cada autor ou autora poderá ser contempladx com a publicação de apenas um texto;
5. Não existem restrições temáticas para a seleção dos textos;
6. Serão aceitos material apenas no formato textual;
7. Cada material publicado dá ao autor ou autora o direito de receber 01 exemplar da antologia;

Sobre o envio de textos

8. O material deverá ser enviado para o e-mail do festival (internacionalcartonera@gmail.com) entre os dias 1º e 7 de setembro de 2018, conforme a sessão Sobre o material textual, abaixo;
9. No Assunto, deve-se colocar: “PARTICIPAÇÃO ANTOLOGIA”;
10. Não será aceito material em formato diferente do apontado neste regulamento, bem como entregue de outra forma que não através do e-mail do festival.

Sobre o material textual:

11. Serão aceitos qualquer tipo de textos (Aforisma, Poema, Conto, Crônica, Resenha, Artigo e Epitáfio etc.);
12. Cada autor só poderá participar com um único texto;
13. O texto deverá ser apresentado em arquivo .doc, não ultrapassando o limite de 1200 caracteres, em fonte Times New Roman tamanho 12 e espaçamento entre linhas 1,5;
14. Os textos com características especiais como poemas visuais, que não possam se enquadrar nas normas dos itens anteriores também serão aceitos, porém deverão se ajustar ao formato final da publicação em 01 lauda de A5; deve ser enviado digitalizado em arquivos dos tipos JPEG ou TIF, em resolução mínima de 300 dpi;
15. Os trabalhos apresentados deverão se enquadrar no formato A5, em impressão em preto e branco (P&B);

Sobre comercialização, distribuição e direitos autorais

16. O envio do e-mail conforme os itens 7 e 8 acima automaticamente caracterizará a cessão de direito autorais de publicação na antologia ou em outras plataformas da produtora Nós Pós;
17. Sob hipótese alguma a produtora Nós Pós fará uso comercial dos textos enviados para a antologia;
18. Esta primeira edição da antologia será doada para os autores contemplados (01 exemplar para cada) e o restante doado para bibliotecas públicas e comunitárias do estado;

Sobre o lançamento da antologia

19. O lançamento da Antologia será no dia 23 de setembro de 2018 às 15h na programação do Festival Internacional Cartonera, no terraço do Paço Alfândega (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo – Recife/PE);

Sobre recebimento de exemplar

20. Xs autorxs contemplados poderão receber seu exemplar da Antologia no lançamento, no dia 23, ou pelos Correios;
21. Caso não compareça ao lançamento, o ou a contempladx deve entrar em contato com a produção do evento para alinhamento de envio pelos Correios.

Sobre o Ateliê Nós Cartonera

22. Espaço de editoração da Antologia Nós Cartonera, produzida pela e para a Internacional Cartonera, nosso Ateliê Nós Cartonera é um ambiente de incentivo a auto publicação aberto à interação do público, montado com todo o equipamento básico para artesania de livros: computador, máquinas impressoras/fotocopiadoras, papel e material de montagem artesanal. Nele o público pode acompanhar e participar de todo o processo editorial independente, ou seja, da editoração, impressão e montagem da Antologia Nós Cartonera livros. O ateliê estará aberto entre os dias 18 e 21 de setembro de 2018 no Espaço Pasárgada (Rua da União, 263, Boa vista – Recife/PE).

Sobre impedimentos

23. Estão impedidos de participar desta chamada e da antologia:

1. Os e as artistas convidadxs para a programação do festival;
2. Textos de incitação ao ódio, racistas, homofóbicos, xenófobos ou que expressem qualquer tipo de preconceito ou discriminação contra a pessoa humana;
3. Todxs que integram o quadro de funcionários da FUNDARPE/SECULT-PE (incluindo-se os terceirizados, os bolsistas, os ocupantes de cargos comissionados e demais profissionais que tenham vínculos diretos com a FUNDARPE/SECULT-PE), os membros da Comissão Deliberativa e dos Grupos de Assessoramento Técnico e Temático, bem como seus respectivos cônjuges /companheiros e parentes de até segundo grau;
4. Ex-funcionárixs da FUNDARPE/SECULT-PE (incluindo-se os terceirizados, os bolsistas, os ocupantes de cargos comissionados e demais profissionais que tiveram vínculos diretos com a FUNDARPE/SECULT-PE), ex-membros da Comissão Deliberativa com menos de 01 (um) ano de desligamento, a contar do dia 29/12/2017.

Considerações Finais

24. O ato de envio de e-mail conforme os itens 7 e 8 acima pressupõe pleno conhecimento e concordância com os termos deste Regulamento.
25. Os casos omissos porventura existentes ficarão a cargo da Coordenação do festival.

BAIXE AQUI ESSE REGULAMENTO EM PDF.

Nossa equipe de editoração abre as portas pra quem quiser acompanhar o processo de feitura dos livros da Antologia Cartonera que será lançada na programação.

De 18 a 21 de setembro de 2018
12h às 20h | Espaço Pasárgada (Rua da União, 263, Boa Vista – Recife/PE)

LANÇAMENTO Antologia NÓS CARTONERA
Domingo, 23 de setembro de 2018
15 às 15h40 | terraço do Paço Alfândega (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, elevador e libras.

FRUIÇÃO

Garanhuns

CONVERSA com NIVALDO TENÓRIO, HELDER HERIK e JOSÉ MÁRIO RODRIGUES (Garanhuns, PE)
Tema: Literatura carburada ontem e agora
Mediação: JOHNNY MARTINS (Recife, PE)
19h30 às 20h30 | SESC Garanhuns (Rua Manoel Clemente, 136, Santo Antônio | Garanhuns, PE)

SHOW com HERCINHO (Garanhuns, PE)
22h às 23h | Taberna do Dragão (
Rua Dr. Luís da Silva Lessa, 165, Boa Vista | Garanhuns, PE)

Garanhuns

LANÇAMENTO DE LIVROS CONVERSA e RECITAL com autores locais publicados pelo Coletivo Tear
19h30 às 20h30 | SESC Garanhuns
 (Rua Manoel Clemente, 136, Santo Antônio | Garanhuns, PE)

RECITAL com Coletivo Poétnico (Garanhuns, PE)
21h | Taberna do Dragão (Rua Dr. Luís da Silva Lessa, 165, Boa Vista | Garanhuns, PE)

SHOW com Hélio Machado (Garanhuns, PE)
22h às 23h | Taberna do Dragão 
(Rua Dr. Luís da Silva Lessa, 165, Boa Vista | Garanhuns, PE)

Recife e Olinda

PALESTRA com EDMÁRIO JOBAT (Igarassu, PE)
Tema: Cartonerismo, acessibilidade e inclusão social
15h às 16h | Biblioteca Multicultural Nascedouro (Av. Jardim Brasília, s/n, Peixinhos | Olinda, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, libras

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS com ROMA JULIA (Recife, PE)
Título: Histórias do meu povo
15h30 às 16h30 | Biblioteca Popular do Coque (Rua Centenário do Sul, 70, São José | Recife, PE)
Formato acessibilidade: libras

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS com KEMLA BAPTISTA (PE/RJ)
Título: Causos do Lado de Lá
15h30 às 16h30 | Compaz Ariano Suassuna (Av. Eng. Abdias de Carvalho, s/n, Cordeiro | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, libras

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS com SUSANA MORAIS e TIO DIEGO (Recife, PE)
Título: Histórias clássicas em cordel
15h30 às 16h30 | Biblioteca Pública Estadual
(R. João Líra, s/n, Santo Amaro | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, libras

Abertura oficial

CONVERSA com ANNA NOVA (PE/MG) e ADEMIR DEMARCHI (SP)
Tema: Cartonerismo e as novas soluções editoriais
Mediação: PATRICIA CRUZ LIMA (Recife, PE)
19h30 às 20h30 | Edifício Texas  (Rua Rosário da Boa Vista, 163, Boa Vista | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, libras

PALESTRA com WASHINGTON CUCURTO (ARG)
Tema: Origens do Movimento Cartonero
Mediação: DIOGO GUEDES (Recife, PE)
20h40 às 21h40 | Edifício Texas  (Rua Rosário da Boa Vista, 163, Boa Vista | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, libras, tradução simultânea

LANÇAMENTO dos livros: “Morfologia da dor” de JULIA LARRÉ (Recife, PE) e “Fragmentos da não-existência” de ANA NEPÔ (DF)
CONVERSA com autoras
Mediação: CAROLINA MORAIS (Recife, PE)
15h às 15h50 | Terraço do Paço Alfândega | (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, elevador

CONVERSA com WILIAM TENÓRIO (Afogados da Ingazeira, PE) e FRED CAJU (Recife, PE)
Tema: Publicações independentes e as novas soluções editoriais e mercadológicas
Mediação: PHILIPPE WOLLNEY (Goiana, PE)
16h às 16h50 | Terraço do Paço Alfândega | (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, elevador, libras

CONVERSA com OLGA SOTOMAYOR (CHI) e ALICIA CUERVA (FRA)
Tema: Movimento Cartonero como negócio na América Latina?
Mediação: EDMÁRIO JOBAT (Igarassu, PE)
17h às 17h50 | Terraço do Paço Alfândega | (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, elevador, libras, tradução simultânea

CONVERSA com SIDNEY ROCHA (CE/PE) e BRUNO LIBERAL (Petrolina, PE)
Tema: O que pensam os autores que publicaram nesse formato?
Mediação: DIOGO GUEDES (Recife, PE)
18h às 18h50 | Terraço do Paço Alfândega | (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, elevador, libras

SHOW com VIRGULADOS (Belo Jardim, PE)
19h30 às 20h45 | Hall do Paço Alfândega | (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão

LANÇAMENTO Antologia NÓS CARTONERA PHILIPPE WOLLNEY (Goiana, PE), editor da Antologia Nós Cartonera, fala sobre o processo de editoração do livro
15h às 15h40 | Terraço do Paço Alfândega (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, elevador, libras

CONVERSA com CHAYENNE ORRU MUBARACK (SP) e PHILIPPE WOLLNEY (Goiana, PE)
Tema: A dinâmica das editoras no envolvimento comunitário e a relação com a cidade
Mediação: PATRÍCIA VASCONCELOS (Lagoa dos Gatos, PE)
16h às 16h50 | Terraço do Paço Alfândega (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, elevador, libras

CONVERSA com OLGA SOTOMAYOR (CHI) e WASHINGTON CUCURTO (ARG)
Tema: Gestão de editorial cartonero, dá pra viver do papelão?
Mediação: EDMÁRIO JOBAT (Igarassu, PE)
17h às 17h50 | Terraço do Paço Alfândega (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão, elevador, libras, tradução simultânea

SHOW Projeto CARROSSEL DE CANÇÕES apresenta PC SILVA (Serra Talhada, PE) e JULIANO HOLANDA (Recife, PE)
18h às 19h30 | Hall do Paço Alfândega (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE)
Formato acessibilidade: rampa, corrimão

FORMAÇÃO

GARANHUNS / PE

OFICINA CARTONERA – Cartonerismo para jovens (parte 1)
Com: COLETIVO TEAR (Garanhuns/PE)
14h às 18h | Aldeia Tear (Rua Antônio Penante, 480, Centro – Garanhuns/PE)

INSCRIÇÕES

GARANHUNS / PE

OFICINA CARTONERA – Cartonerismo para jovens (parte 2)
Com: COLETIVO TEAR (Garanhuns/PE)
14h às 18h | Aldeia Tear (Rua Antônio Penante, 480, Centro – Garanhuns/PE)

Inscrição pela oficina do dia 10.

Lagoa dos Gatos / PE

OFICINA EDITORIAL /CRIAÇÃO DE SELO CARTONERO QUILOMBOLA
Tema: Editoração independente: práticas de construção e manutenção de catálogo quilombola

Com: PATRICIA VASCONCELLOS (Lagoa dos Gatos/PE)
08h às 12h / 14h às 18h | Escola Avelino Alves (Comunidade Quilombola Pau Ferrado – Lagoa dos Gatos/PE)

 

 

GOIANA / PE

OFICINA EDITORIAL – Publique-se ou pereça
Com: PHILIPPE WOLLNEY (Goiana/PE)
08h às 12h / 14h às 18h | Erem Augusto Gondim (Rua Nova, S/N, Lot. Coração de Jesus – Goiana/PE)

INSCRIÇÕES

SÃO PAULO / SP

OFICINA CARTONERA – Oficina de edição cartonera
Com: IDALIA MOREJÓN ARNAIZ (SP)
14h às 17h | Universidade de São Paulo/USP (R. Sena Madureira, 1500, Vila Clementino – São Paulo/SP)

INSCRIÇÕES

RECIFE / PE

Oficina de Design Editorial para Cartoneros
Com: Patrícia Cruz Lima (Recife/PE)
09h às 12h | Torre Malakoff (Praça do Arsenal da Marinha, S/N, Recife Antigo – Recife/PE)
Formato acessibilidade: rampa e corrimão.

INSCRIÇÕES

RECIFE / PE

Agulhas, dobras & cavalos: oficina de encadernação criativa
Com: Fred Caju (Castanha Mecânica, Recife/PE)
09 às 12h | Torre Malakoff (Praça do Arsenal da Marinha, S/N, Recife Antigo – Recife/PE)
Formato acessibilidade: rampa e corrimão.

INSCRIÇÕES

OLINDA / PE

OFICINA CARTONERA – Saberes Poéticos pela Cidadania e Cultura de Paz
Com: EDMÁRIO JOBAT (Igarassu/PE)
09 às 12h | Biblioteca Multicultural Nascedouro (Av. Jardim Brasília, S/N, Peixinhos – Olinda/PE)
Formato acessibilidade: rampa e corrimão.

INSCRIÇÕESRECIFE / PE

 

OFICINA CARTONERA – Confecção dos livros cartoneros
Com: ELISANDRO DAMASCENO (Recife/PE)
09 às 12h | CEPOMA (R. Dragão do Mar, 205, Brasília Teimosa – Recife/PE)
Formato acessibilidade: rampa e corrimão.

INSCRIÇÕESOFICINA CARTONERA – Confecção dos livros cartoneros
Com: GISELLE NATÁLIA e GLESCIKELLY HERMÍNIA (Olinda/PE)
09 às 12h | BIBLIOTECA POPULAR DO COQUE (R. Centenário do Sul, 70, São José – Recife/PE)
Formato acessibilidade: rampa e corrimão.
INSCRIÇÕESOFICINA CARTONERA – Design de livros, aproveitamento de papel, pensando formatos e costuras
Com: ANNA NOVA (PE/MG)
09h às 12h e 14h às 17h | Espaço Pasárgada (Rua da União, 263, Boa Vista – Recife/PE)
Formato acessibilidade: rampa e corrimão.
INSCRIÇÕES

OFICINA Editorial/Criação de selo universitário
Tema: A implementação cartonera na universidade
Com: CHAYENNE ORRU MUBARACK (SP)
08h às 12h / 14h às 18h | CAC/UFPE (Av. da Arquitetura, S/N, Campos Universitários – Recife/PE)
Formato acessibilidade: rampa e corrimão.

OFICINA – AUTOPUBLICAÇÃO: da ideia à pedra
Com: RODRIGO ACIOLI (Recife/PE)
9h às 12h | Biblioteca Pública Estadual ( (R. João Líra, s/n, Santo Amaro | Recife, PE)
Formato acessibilidade: corrimão e elevador.

OFICINA CARTONERA – Cordel, a poesia que se faz brincando
Com: ALEXANDRE MORAIS (Afogados da Ingazeira/PE)
09 às 12h | Compaz Ariano Suassuna (Av. Eng. Abdias de Carvalho, S/N, Cordeiro – Recife/PE)
Formato acessibilidade: rampa e corrimão.

INSCRIÇÕES

RECIFE / PE

OFICINA CARTONERA – O riso abunda em jovens
Com: WASHINGTON CUCURTO (ARG)
09h às 12h | Edifício Pernambuco (Av. Dantas Barreto, 324, Santo Antônio – Recife/PE)
Formato acessibilidade: corrimão e elevador.

INSCRIÇÕESOFICINA CARTONERA – Cordel, a poesia que se faz brincando
Com: ALEXANDRE MORAIS (Afogados da Ingazeira/PE)
09h às 12h | Biblioteca Pública Estadual (R. João Líra, S/N – Santo Amaro – Recife/PE)
Formato acessibilidade: corrimão e elevador.
INSCRIÇÕES

RECIFE / PE

Oficina de livros cartoneros
Com: OLGA SOTOMAYOR (CHI)
09h às 12h | Edifício Pernambuco (Av. Dantas Barreto, 324, Santo Antônio – Recife/PE)
Formato acessibilidade: corrimão, elevador e tradutor.

INSCRIÇÕES

FEIRA INTERNACIONAL CARTONERA

22 e 23 de setembro de 2108 15h às 19h | Hall do Paço Alfândega (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE) Editoras estaduais, nacionais e internacionais comercializando livros de seus catálogos. EDITORAS:

  1. COMISSÃO CARTONERA (Recife/PE)
  2. UNIVERSO CARTONERO (Igarassu/PE)
  3. COLETIVO PAJEÚ CARTONERO (Afogados da Ingazeira/PE)
  4. ELOÍSA CARTONERA (ARG)
  5. OLGA CARTONERA (CHI)
  6. COSETTE CARTONERA (FRA)
  7. MALHA FINA CARTONERA (SP)
  8. CARTONERA SEREIA CA(N)TADORA (SP)
  9. CARTONERA DO MAR (Olinda/PE) e CASTANHA MECÂNICA (Recife/PE)
  10. COLETIVO TEAR (Garanhuns/PE)
  11. LARA CARTONERA (Belo Jardim/PE)
  12. MARACAJÁ CARTONERA (Lagoa dos Gatos/PE)
  13. MOPI – MOSTRA DE PUBLICAÇÕES INDEPENDENTES
  14. MOPI – MOSTRA DE PUBLICAÇÕES INDEPENDENTES
  15. MOPI – MOSTRA DE PUBLICAÇÕES INDEPENDENTES

Selos editoriais na MOPI

  • PORTA ABERTA (Goiana/PE)
  • BENDITO OFÍCIO (Recife/PE)
  • CÉRBERO EDITORA (Jaboatão dos Guararapes/PE)
  • LIVRINHO DE PAPEL FINÍSSIMO (Olinda/PE)
  • TITVILLUS EDITORA (Recife/PE)
22 e 23 de setembro de 2108 16h às 18h | Hall do Paço Alfândega (Rua da Alfândega, 35, Recife Antigo | Recife, PE) Editoras se revezam oferecendo consultoria editorial para interessados em publicar por um dos selos ou criar sua própria editora

FICHA TÉCNICA

Realização
PRODUTORA NÓS PÓS

Coordenação Geral e Curadoria
ALEXANDRE MELO

Direção de Produção
HUDSON WLAMIR

Coordenação de Produção
RAFAEL BUDA

Coordenação Editorial
PHILIPPE WOLLNEY

Coordenação de Acessibilidade
ANDREZA NÓBREGA

Assessoria de Imprensa
MÁRCIO SÁ

Mídias Sociais
ARTHUR REIS

Assistentes de Produção
BRUNNA FEITOSA
FLÁVIA BENEVIDES
KLARISSA FAYE
ROSE LIMA

SELTON MOURA
TALITA SÁ
VI LARAIA

Produção Local
PATRÍCIA VASCONCELLOS
THAIS MELO

Apoio de Produção
ALEX GUTERRES 

Registro Fotográfico
RODRIGO RAMOS 

Identidade Visual e Projeto Gráfico
PATRICIA CRUZ LIMA 

Tradução
MALÚ BAZÁN

Webmaster
MARCELO SENA
ALUX NET

A INTERNACIONAL CARTONERA

“Eu sou a nata do lixo, eu sou do luxo da aldeia”. O verso da canção “Terral”, do compositor cearense Ednardo, antecipa em algumas décadas a arte do paulista Vik Muniz, por exemplo, conhecido pelo uso e reuso de matéria ou desmaterializações, lixo particularmente, para montar seu discurso de Midas. A canção poderia servir como hino para esta Internacional. Cartonera. As obras do Muniz, espalhadas e espelhadas na abertura das novelas globais, poderiam ser sua manifestação mais eloquente. O comendador desta IC, Internacional Cartonera, bem poderia ser o Joãosinho Trinta. Ou o nosso Miró, do lixão, da Muribeca, inclusive um best seller cartonero. E seu slogan a mais que concreta poesia de Augusto de Campos, onde luxo e lixo formam um todo visívelindivisível.

Mas essa anunciação talvez venha a partir do crítico francês Nicolas Bourriaud, esse conceito a extrapolar o mundo cartonero, mas com o qual muito nos identificamos: o necessário critério de sociabilidade inerente a cada obra, e não somente restrito à concepção, mas sua inclusão em todos os sentidos, sua construção coletiva, de onde pedimos emprestado o conceito de arte relacional. Este é o modo cartonero, espécie de pós-ready-madeou alter-modern, provisório e efêmero, como os sintomas de nosso tempo.

Esta Internacional pretende portanto questionar o antigo, o velho que apagado, o novo que espantado e já o novíssimo, numa estética coletiva, promovendo diálogos onde o cidadão, artista ou não, possa se perguntar: “Eu me vejo todo ou em parte nisso tudo?”

Em tempos tão duros, a Internacional Cartonera busca encontrar essas brechas, ou interstício [esse conceito econômico, de Marx]: um panorama onde surjam novos horizontes de câmbios e intercâmbios, além daquelas impostas pelo sistema. E onde possamos discutir a contemporaneidade, esse animal esquisito e vivo, vivíssimo, sem necessariamente a mão ou mediação estatal, portanto mais próximo do povo.

É um mundo onde se deve tentar compreender a arte contemporânea como um campo de trocas, e onde tal estética “toma como horizonte teórico a esfera das relações humanas e seu contexto social mais do que a afirmação de um espaço simbólico autônomo e privado”, como diz Bourriaud. Mas não sem esquecer do quanto trocas tão poderosastenham sido já prenunciadas por Hélio Oiticica ou Lygia Clark, e antes deles vários outros várias.

Mas vamos em frente, na Terra em pleno setembro, aqui na south america:queremos dizer do quanto esses atores à margem do sistema de recepção e (re)produção e pós-produção da arte podem fortalecer suas relações em um universo mais solidário, onde até o lixo pode se transformar em forma de expressão. Nesse caso, vamos além de Bourriaud, que não inclui a literatura nem o cinema nessa “estética relacional”. Acreditamos numa literatura cartonera, ou num projeto editorial cartonero mais inclusivo, do vendedor do cartonao artista-catador que “constrói” a capa; ao escritor-catador-distribuidor-multiplicador que cede o texto. E, talvez até acreditemos em um cinema cartonero, ou fotografia cartonera,se Glauber e o Cinema Novo brasileiro já não estivessem conectados a uma protoideia disso.

Isso mexe com o conceito, de longa data, do que vem a ser mesmo o “autor”, no mundo contemporâneo, mas aí já seria Foucaultdemais. Porém, para provar (d)a ideia, na prática, resolvemos não assinar, ou assinar todos, este editorial.

O cartonerismo é um modo de pensar o consumo. E o consumo da arte. Uma forma de ver e enfrentar o problema em edições, oficinas, práticas, publicações, congressos, mas em especial é um fluxo [contínuo] de consciências. Objetivas. Simbólicas. Coletivas. Onde somos todos e todas Dulcineias. Eloisas. Niñas. Saritas. “Carinas”. Mariposas. Magnolias. Therezinhas. Estrelas. Dumares. As melhores formas de nos mantermos juntas. Sem preconceitos. Sem medos. E vivermos juntos, num mundo onde a mensagem é sempre melhor que o meio.

Share This